segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

What is the situation of children in Egypt?


Many garbage collectors work and live in the Suburbs of Cairo, Egypt. This photo shows us Marina, age 3 playing with other children in the back of a garbage collector.

"Adolescents - one quarter of the population - face considerable challenges in finding employment. This is aggravated by the quality of their education, which does not provide them with the necessary skills. There is a lack of proper information on age-specific issues and limited opportunities for their participation in different contexts starting within their families to their schools to community at large, which affect their ability to have a meaningful role in their society and in national development.

The Government prioritizes child protection, and national plans of action and programmes for at-risk children are in place to deal with abuse and violence in homes, schools and the streets. An estimated 8 per cent of children aged 6-14 years are child laborers, mostly engaged in the agriculture sector, considered a hazardous occupation. There are a significant number of street children in Egyptian cities. Family breakdown and poverty are the root causes that push children to the streets.

Children are also drawn to the streets where they can socialize and earn money.

The prevalence of female genital mutilation and cutting (FGM/C) among girls aged 15-17 years is 77 per cent. The abandonment of FGM/C is a Government priority, and recent surveys indicate a lack of intent to circumcise girls in communities.

A 2006 study on child abuse in deprived urban communities, shows 81% of children having been corporally punished at home in the year preceding the survey, and 91% corporally punished during the same period in schools.

There is a need to institutionalize child protection mechanisms and services for monitoring and rehabilitation of children subjected to exploitation, abuse, violence and those deprived of primary care".

Leia mais dados UNICEF clicando aqui; vídeo de campanha apoiada pela UNICEF pelas crianças que vivem na rua clicando aqui; na página de FACE, For Children in Need, clicando aqui, em contraponto às informações de uma organização de turismo do Egito clicando aqui.

Tecnologías de la Información y la Comunicación para devolver la vista a los ciegos


"Políticas y programas de alfabetización de adultos difícilmente - por no decir nunca - se vinculan a políticas y programas de promoción de la lectura. Alfabetización de adultos, bibliotecas y computadoras suelen ir por separado, sin rozarse entre sí, incluso a cargo de ministerios o entidades diferentes. Uruguay no es la excepción y así lo confirmamos en esta visita. Pero también descubrimos inesperadamente, gracias a esta visita, el mundo extraordinario de los ciegos y las posibilidades también extraordinarias que ofrecen hoy las modernas Tecnologías de la Información y la Comunicación (TICs) para devolverles la vista frente a la pantalla, poniendo a su alcance el mundo infinito de la lectura y la escritura".

Leia mais no Blog OTRA EDUCACIÓN, Blogosfera Educativa - No basta con mejorar la educación, es preciso cambiarla - clicando aqui.

Las palabras no son inocentes en las noticias...



LAS PALABRAS NO SON INOCENTES… Términos Peyorativos

El uso del lenguaje, la elección de determinadas palabras y las expresiones cargadas de sentido en las noticias pueden favorecer la promoción de los derechos del niño, niña o adolescente, pero también cercenarlos.

El tratamiento periodístico de temas complejos, como la explotación y el abuso sexual, la pobreza o la delincuencia, entre otros, reproduce muchas veces estigmatizaciones y desigualdades existentes en la sociedad.

Los niños, niñas y adolescentes, lejos de ser responsables de la situación que atraviesan, son víctimas. La prensa debe esforzarse por adoptar un lenguaje inclusivo y respetuoso con ellos y ellas.

El término peyorativo “menor,” cuyo uso puede parecer inofensivo para algunos periodistas, es el que aparece con mayor frecuencia en los medios para referirse a niños, niñas y adolescentes.

Hablar de “menores” no es solo un error en el uso de las reglas del lenguaje, porque utiliza un adjetivo como si fuese un sustantivo, como una reducción de la definición legal de “persona menor de edad”, sino que reafirma una frontera de desigualdad social que divide arbitrariamente a la infancia en dos universos: los “niños” y los “menores”.

Listado de palabras peyorativas más utilizadas:

Menor
Prostituta
Delincuente
Asesino / Asesina
Pequeño / Pequeña
Minusválido / Minusválida
Discapacitado / Discapacitada
Engreído / Engreída
Angelito / Angelita
Mendigo / Mendiga
Pordiosero / Pordiosera
Chiquillos / Chiquillas
Sordo / Sorda
Ciego / Ciega
Sordomudo / Sordomuda

Conheça mais a ACNNA . Agencia de Comunicación de Niñas, Niños y Adolescentes clicando aqui.

ACNNAinfo Youtube



Subscreva no Youtube clicando aqui.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Concentração das comunicações nos EUA


"Barack Obama recua, concentração aumenta

Por Venício A. de Lima em 27/1/2011
Observatório da Imprensa
http://observatoriodaimprensa.com.br/images/transp.gif
Há pouco mais de dois anos (18/11/2008) publiquei neste Observatório artigo motivado por mensagem recebida de Josh Silver, diretor da organização não-governamental Free Press, que chamava a atenção para as grandes transformações que deveriam ocorrer na mídia estadunidense se o presidente eleito Barack Obama cumprisse as promessas de campanha (ver "Comunicações nos EUA: O que muda com Barack Obama?").

Volto ao assunto agora, motivado pelo mesmo Josh Silver.

Após a fusão da Comcast – a maior operadora de TV a cabo e maior provedora de internet dos EUA – com a NBC-Universal (NBCU), autorizada pela Federal Communications Commission (FCC), no último dia 18 de janeiro, ele admite ter perdido as esperanças e mostra como, uma a uma, as promessas de Obama estão sendo descumpridas com prejuízos óbvios para a pluralidade e a diversidade na mídia dos EUA (ver "Comcastrophe: Obama’s FCC Approves Enormous Corporate Media Merger for Comcast/NBC").

De que se trata

As informações disponíveis dão conta de que o negócio de 30 bilhões de dólares, isto é, a compra de 51% da NBCU pela Comcast, faz surgir o maior grupo de comunicação dos Estados Unidos. A Comcast passa a controlar também um enorme leque de programas de televisão e um arquivo com mais de quatro mil filmes. A nova empresa terá 16,7 milhões de assinantes de banda larga, 23 milhões de usuários de TV por assinatura, estações de transmissão e dezenas de canais que incluem a rede de televisão NBC, USA Network, Bravo e MSNBC, além da participação de 32% no serviço de vídeos online Hulu".

Leia o texto completo no Observatório da Imprensa clicando aqui.

Cómo ven videos los usuarios de social media

clique para aumentar

"La forma de ver videos ha cambiado totalmente desde la aparición de YouTube. Ahora, durante el reinado de las redes sociales ¿ha cambiado nuestra forma de ver videos?  Lab42 ha publicado una infografía sobre los hábitos de consumo en usuarios de social media en los EE.UU".

Crie seu próprio jornal a partir de posts do Twitter ou Facebook


"Um site chamado Paper.li (http://paper.li) permite que os internautas criem seus próprios jornais com as mensagens que recebem pelo Twitter ou Facebook. O usuário pode escolher montar seu jornal a partir de mensagens de seus contatos, tags ou de listas de seguidores ou amigos.

O jornal virtual reúne notícias, fotos e vídeos com as últimas atualizações de seus contatos. Além disso, o internauta pode escolher o título do jornal, temas, idioma e colaboradores. O britânico The Guardian foi um dos primeiros veículos impressos a integrar seu conteúdo de redes sociais no Paper.li. Visite a página de tecnologia do jornal.

O projeto Paper.li é uma iniciativa da Swiss Federal Institute of Technology EPFL, em Laussane (Suiça)".

Redação

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Periodismo Ciudadano y la ética del bloguero


“Juan José Retamal, Director estratégico OCD-Iberoamérica, ofreció ayer una excelente charla en el evento Buenas Prácticas en Comunicación On Line que realizó la Asociación Nacional de Anunciantes (Anda) de Perú. Compartimos su presentación Periodismo Ciudadano y la ética del bloguero".

Para ver a apresentação na página Clases de Periodismo clique aqui.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Latinoamérica: trabajo infantil entre cifras y realidad


"Mientras algunos esperan algo más de la vida,
hay algunos que esperan comer cada día".

Edwin Paucar 
Adolescente y trabajador peruano

La campaña mundial contra el trabajo infantil, especialmente en sus peores formas, se encuentra en una encrucijada. Se ha pasado de una optimista previsión formulada hace tan sólo cuatro años sobre la proximidad del fin del trabajo infantil, al más reciente informe de la OIT, en el que se arrojan dudas respecto a la posibilidad de que la meta pueda alcanzarse en el año objetivo de 2016. El Programa Internacional de la OIT para la Erradicación del Trabajo Infantil y la comunidad internacional han decidido ahora renovar tal empeño.

En una conferencia internacional celebrada el 10 y 11 de mayo y organizada por el Gobierno de los Países Bajos se adoptó una nueva "hoja de ruta" dirigida a alcanzar los objetivos fijados en 2006. Constance Thomas, Directora del IPEC, examina los logros alcanzados y los retos pendientes en la lucha contra el trabajo infantil. "En 2006, en el segundo Informe Global de la OIT sobre trabajo infantil dio cuenta del avance significativo en la lucha contra el trabajo infantil. Animada por esta tendencia positiva, la OIT estableció un objetivo visionario: eliminar para 2006 el trabajo infantil en sus peores formas".

Cristiano Morsolim
Educador italiano y operador de redes internacionales.
Co-fundador del Observatorio sobre Latinoamérica SELVAS.
Colabora con Jubileo Sur, Latindadd, Cadtm


Leia o texto completo na página do ADITAL, Noticias de América Latina y Caribe,  clicando aqui

Las mejores noticias libres de publicidad en una sola web



The Washington Post y USA Today lanzaron Ongo, una web de selección de noticias, que ofrecerá información de una veintena de periódicos de EE.UU. sin publicidad y con aplicaciones especiales para tabletas electrónicas.

AP presenta la nota con este titular: Nuevo cibersitio cobrará por ofrecer noticias que ya son gratis. Sin embargo, no es necesariamente así: se espera que el lector valore la selección a cargo de cinco editores.

La nueva web está bajo la dirección de  Alex Kazim (antes comandó Skype) y  busca “reflejar las diversas maneras en que los usuarios prefieren leer, organizar y compartir sus noticias digitales”, según la compañía.

Ongo permitirá el acceso a los contenidos de The Washington Post, USA Today, “extractos” de The New York Times y “contenido seleccionado” del Financial Times, por una tarifa básica de 7 dólares al mes.


Leia mais na página Clases de Periodismo clicando aqui.

Escola americana adota iPad como material escolar


O iPad está virando um objeto tão comum na vida dos americanos que uma escola no Estado americano do Tennessee está adotando a tablet como parte do material escolar.

Leia mais na página do Mac + Terra clicando aqui.

Manifesto pela Mídia-Educação: Por que deveríamos estar ensinando os jovens sobre os meios de comunicação?


Some truisms and a few provocations

"As media educators, we have spent so long campaigning for our field that most of us could probably rehearse the basic rationale in our sleep. Why should we be teaching young people about the media? Well, most of us would probably begin with assertions about the statistical significance of the media in children’s lives. Back in 1980, Len Masterman pointed out that children were spending more time watching television than they were spending in school – and in fact that claim was probably true twenty years earlier. Surveys repeatedly show that, in most industrialised countries, children now spend significantly more time engaging with the media than on any other activity apart from sleeping. This in itself might appear to suffice, at least if we believe that schooling ought to be relevant to children’s lives outside school.

However, we might want to go on to make some broader claims about the economic, social and cultural importance of the media in modern societies. The media are major industries, generating profit and employment; they provide us with most of our information about the political process; and they offer us ideas, images and representations (both factual and fictional) that inevitably inform and shape our view of reality. The media are the major contemporary means of cultural expression and communication: to become an active participant in public life necessarily involves making use of the modern media. The media, it is argued, have now taken the place of the family, the church and the school as the major socialising influence in contemporary society".

Manifesto pela Mídia-Educação

David Buckingam
Centre for the Study of Children, Youth and Media
Institute of Education, London University


Leia o texto completo de Davi Buckingham clicando aqui.

Leia mais sobre o Manifesto clicando aqui.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011


"Homem, de olhar sereno e voz pausada, que fez de sua vocação religiosa uma opção pelos direitos humanos, especialmente os direitos dos pobres e priosineiros da injustiça. Gaillot denuncia o clima de injustiça reinante na França hoje, diz que a Igreja Católica virou às costas para o povo pobre e caminha para virar uma seita, e aponta a América Latina como a região que deve servir de exemplo para os que lutam contra a injustiça.

(...) Evidentemente, a Teologia da Libertação é perigosa para os poderosos. Quando os pobres são submissos aceitam seu triste destino, então não há nada que temer, são pão abençoado para os poderosos. Os detentores do poder podem dormir tranquilos. Mas se os pobres despertam e adquirem consciência de sua condição, convertendo-se em atores da mudança, então isso produz medo no poder".

Monsenhor Jacques Gaillot . França

Leia a entrevista ao Jornalista Hernando Calvo Ospina na Carta Maior clicando aqui.

Emir Sader: Prefácio de "A educação para além do capital" de István Mészáros


"O objetivo central dos que lutam contra a sociedade mercantil, a alienação e a intolerância é a emancipação humana.

A educação, que poderia ser uma alavanca essencial para a mudança, tornou-se instrumento daqueles estigmas da sociedade capitalista: “fornecer os conhecimentos e o pessoal necessário à maquinaria produtiva em expansão do sistema capitalista, mas também gerar e transmitir um quadro de valores que legitima os interesses dominantes”. Em outras palavras, tornou-se uma peça do processo de acumulação de capital e de estabelecimento de um consenso que torna possível a reprodução do injusto sistema de classes.

Em lugar de instrumento da emancipação humana, agora é mecanismo de perpetuação e reprodução desse sistema. A natureza da educação – como tantas outras coisas essenciais nas sociedades contemporâneas – está vinculada ao destino do trabalho. Um sistema que se apóia na separação entre trabalho e capital, que requer a disponibilidade de uma enorme massa de força de trabalho sem acesso a meios para sua realização, necessita, ao mesmo tempo, socializar os valores que permitem a sua reprodução. Se no pré-capitalismo a desigualdade era explícita e assumida como tal, no capitalismo – a sociedade mais desigual de toda a história –, para que se aceite que “todos são iguais diante da lei”, se faz necessário um sistema ideológico que proclame e inculque cotidianamente esses valores na mente das pessoas.

(...) Os que lutam contra a exploração, a opressão, a dominação e a alienação – isto é, contra o domínio do capital – têm como tarefa educacional a “transformação social ampla emancipadora”. Se em Para além do capital Mészáros retomava o fio condutor de O capital, neste texto – vibrante, lúcido, decifrador – ele se insere na prolongação do Manifesto Comunista, apontado para as tarefas atuais do pensamento e da ação revolucionária no campo da educação e do trabalho – isto é, da emancipação humana".

Emir Sader
Prefácio do livro "A educação para além do capital" de István Mészáros

Leia o prefácio na íntegra na página do Espaço Acadêmico clicando aqui.

A criança violentada e a infância perdida


O que publicidade tem a ver com erotização precoce e exploração sexual

"No Brasil, existem 241 rotas de tráfico de crianças e adolescentes para fins de exploração sexual, 1.820 pontos de exploração sexual infantil nas rodovias federais, 13.472 denúncias de pornografia infantil na internet apenas no primeiro semestre de 2010 e 3.600 denúncias telefônicas de abuso e exploração sexual infanto-juvenil no mesmo período. 

Esses dados mostram que a violência sexual infantil é, sem dúvida, uma questão delicada no Brasil. Segundo a World Childhood Foundation, além da vulnerabilidade econômica, existem outros fatores que podem favorecer esse tipo de violência. Um deles é a erotização precoce da criança e do adolescente pela mídia.

Para Anna Flora Werneck, existe, também, uma relação que se estabelece entre a exploração sexual e o consumo, que não pode ser analisada como causa isolada, mas que certamente contribui como um fator de vulnerabilidade. Em estudo recente da WCF, 65% das meninas declararam usar o dinheiro da exploração sexual para comprar celular, tênis, roupa. A exploração sexual não se restringe a bolsões de pobreza e se manifesta de diversas formas, assim como o desejo de consumo não é despertado apenas naqueles investidos de poder aquisitivo.

Recentemente recebi uma reprodução da campanha publicitária da grife de biquínis Água de Coco, publicada na Revista Joyce Pascowitch (acima). No anúncio, uma criança é retratada como uma mini-mulher. Fotografada em uma pose apelativa, vestida de maneira sensual, mexendo em um aparelho celular, a imagem rompe com a fronteira entre mulher e menina – o que pode ser perigoso num país onde as barreiras que delimitam e protegem a infância já são notavelmente embaçadas.

A infância é uma construção social, uma convenção que visa a proteger aqueles que estão em desenvolvimento, e por isso, mais vulneráveis. Quando desconstruímos a imagem de uma criança, estamos colocando em risco alguns de seus direitos. Além disso, vale lembrar que mesmo as crianças que não podem adquirir os produtos oferecidos pela publicidade acabam absorvendo e reproduzindo os comportamentos que o anúncio propõe como adequados, já que a publicidade apela para a necessidade de pertencimento da criança".

Leia os comentários sobre o texto acima na página do Consumismo e Infância clicando aqui.

Geração Z: os nativos digitais


"Os nativos digitais, aqueles que nasceram a partir dos anos 1990 e não concebem o mundo sem celular nem internet, são estimados em 1,6 bilhão de pessoas, número que cresce a cada dia. Numa pesquisa mostrada por Katherine Savitt durante o último Web 2.0 Summit, em San Francisco, Califórnia, em novembro, 71% das pessoas dessa faixa etária reportaram uso simultâneo de celular com internet e/ou televisão. E 69% disseram manter três ou mais janelas ativas do navegador durante uma sessão de internet".

Márion Strecker . Observatório da Imprensa
Reproduzido da Folha de São Paulo

Leia o texto completo clicando aqui.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Facebook é a nova fronteira na relação entre pais e filhos


"Cerca de dois terços dos adolescentes norte-americanos se sentem confortáveis o bastante com relação a seus pais para tê-los como amigos no Facebook, de acordo com um novo estudo. Mas 16% dos jovens pesquisados afirmaram que aceitar os pais em suas listas de amigos era uma precondição para que pudessem aderir ao site de redes sociais, e 38% dizem ter ignorado pedidos dos pais para inclusão em sua lista de amigos.

"O Facebook... continua a ser a nova fronteira no relacionamento entre pais e filhos, que está em constante desenvolvimento," disse Kristen Campbell, da Kaplan Test Prep, que entrevistou 2.313 estudantes norte-americanos com idades dos 16 aos 18 anos sobre as tendências das redes sociais.

O estudo demonstrou que 65% dos estudantes "não estão se escondendo, e isso é positivo", disse Campbell, diretora executiva da empresa, que desenvolve programas preparatórios para testes de admissão universitária. Para muitos norte-americanos jovens, o Facebook oferece a oportunidade de se manterem independentes dos pais, de acordo com Campbell.

"Ainda que os pais estejam muito envolvidos e muito ativos, o Facebook permite que os jovens exercitem sua independência", explicou. "Eles desejam que pelo menos certas porções de suas vidas sejam privadas." Em certos casos, pais e filhos decidem de comum acordo manter separação em suas vidas na rede. Ainda que muitos filhos ignorem os pedidos de inclusão dos pais, 82% dos adolescentes reportam que seus pais estão "muito envolvidos" ou "algo envolvidos" em suas vidas acadêmicas.

Campbell descreve o Facebook como passo natural de conexão para uma geração que cresceu com a internet. "Essa é uma geração que se comunica eletronicamente, e agora as linhas de comunicação estão abertas de novas maneiras," afirmou".

Portal Terra Notícias

Leia postagens relacionadas no Portal Terra clicando aqui.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

O iPad em sala de aula


"Conheça alguns aplicativos que podem ser baixados no tablet da Apple e usados por professores e alunos

Tory Oliveira

Lançado em abril de 2010 e desde dezembro disponível oficialmente no Brasil, o iPad promete revolucionar a maneira como o conteúdo digital é acessado por seus usuários. Ostentando o visual de um “iPhone gigante”, com sua tela de touch-screen, o iPad trabalha como um computador portátil – é possível redigir e-mails, acessar sites na internet, exibir vídeos e ler versões digitais de livros, jornais e revistas. Além disso, como já acontecia com outros produtos do gênero, existe uma imensa gama de aplicativos desenvolvidos especialmente para o tablet da Apple. Baixados de forma gratuita ou a custo- de poucos dólares, os aplicativos (ou “apps”) são uma espécie de programa que acrescenta novos recursos ao iPad, como um jogo, um editor de texto mais arrojado ou um visualizador de mapas.

Apesar de a esmagadora maioria dos aplicativos ainda estar ligada ao mundo dos jogos eletrônicos e do entretenimento, uma pesquisa da Distimo, empresa especializada na análise de lojas de aplicativos, apontou que 8% dos cerca de 200 mil aplicativos produzidos em 2010 são voltados para a educação – atrás apenas dos games e do entretenimento". 



Leia o texto completo na Carta Capital clicando aqui.

Pesquisa Nickelodeon: TV, publicidade e a criatividade infantil


Segundo pesquisa do Nickelodeon (canal pago) , "assistir a programas infantis ou a desenhos foi considerado por mães de filhos de 2 a 12 anos como mais estimulantes à criatividade dos pequenos do que atividades como fazer lição de casa, ouvir música e conversar com crianças de outras idades".

Leia o texto referente a isso, e outras reflexões, na página de Consumismo e Infância clicando aqui e aqui.

Veja a pesquisa da Nickelodeon, "Cinco temas que marcam as crianças de hoje", clicando aqui.

América Latina: a mídia versus a democracia


É preciso inserir na agenda das organizações sociais a denúncia contra o papel deletério cumprido pelos veículos informativos. O boicote e o vilipêndio são momentos táticos de uma estratégia mais ampla para barrar a democratização em curso no território demarcado pela utopia de Simon Bolívar e João Cândido.

(...) Hoje, a censura da mídia patronal não recai sobre “a moral e os bons costumes”, mas sobre os esforços de democratização da América Latina. O bloqueio contumaz esconde os avanços no combate às desigualdades sociais. Os noticiários manipulam o imaginário social e ferem o direito à informação. À indagação do nacional-desenvolvimentista Celso Furtado, “saber se temos um futuro como nação no devir humano”, respondem buscando “interromper o nosso processo histórico de formação de um Estado-Nação”. A tática que adotam é a da omissão altista sobre as conquistas que distanciam-nos do passado colonial e escravagista, em combinação diuturna com as acusações histriônicas e gratuitas à suposta falta de moralidade nos atos das lideranças. A disco toca sempre a mesmíssima faixa.

As classes médias altas, por não sentirem o impacto imediato gerado com as políticas de qualificação dos serviços públicos, distribuição de renda, valorização do salário mínimo e expansão do crédito mostram-se mais suscetíveis à sabotagem. As camadas empobrecidas, usufruindo no cotidiano os benefícios da inversão de prioridades, possuem uma consciência com maior imunidade ao mal humor dos donos da opinião pública. A situação é agravada pela ausência de uma legislação que proíba a propriedade cruzada, o que implica uma ameaça à veiculação de idéias plurais e uma limitação à capacidade de formulação de juízos independentes pelos indivíduos. Paradoxo que mina as bases da própria democracia liberal! "

Luiz Marques

Leia o texto completo na Carta Maior clicando aqui.